Fides quærens intellectum…

Fides quærens intellectum…

Significa “fé em busca de compreensão”, disse Anselmo de Cantuária. Articula a estreita relação entre fé e razão humana: relata uma frase da minha vida.

Guilherme Balista é pastor batista, teólogo, jornalista e tradutor. Ítalo-brasileiro, de origem lombarda (Mântua, Itália), nasceu em São José do Rio Preto (São Paulo, Brasil) em 1991 e transcrito em Predaia (Trento, Itália). Estudou cinema, TV e teologia. Hoje, mora em Roma, Itália.


Oriundi: Memórias entre dois continentes

This image has an empty alt attribute; its file name is Capa-Oriundi-Guilherme-Balista-211x300.jpg

A diversidade cultural do povo brasileiro é diretamente relacionada ao fenômeno migratório: em sua história, por várias razões político-geográficas, estrangeiros desembarcaram no Brasil em busca de melhores condições de vida. Entre 1884 e 1959, houve uma maciça emigração italiana. As plantações de café prosperavam e necessitavam cada vez mais de mão de obra em quantidade superior à existente. A população era no geral demasiada pequena, para um território muito grande. Ademais, a vinda de trabalhadores assalariada, assim se esperava, proporcionaria desenvolvimento às cidades e ao comércio, a geração de serviços de infraestrutura, com crescimento para o país. Pouco antes, o Reino de Itália havia passado pelas guerras de unificação. Com o fim destas, sua economia encontrava-se debilitada, com altas taxas de crescimento demográfico e desemprego. Foi em tal contexto que ocorreu a chamada “grande imigração”. Somente na cidade de São Paulo, que tem cerca de 11 milhões de habitantes, quase 6 milhões têm origem italiana, ou seja, 55% da população local. Para se ter uma ideia, é interessante comparar com a maior cidade da Itália – Roma, que hoje conta com aproximadamente 3,8 milhões de pessoas, ou seja, menos italianos que a cidade sul-americana.